jump to navigation

Preferência 14 agosto, 2009

Posted by Alysson Amorim in Poesia.
2 comments

Lêdo Ivo, em O rumor da noite, Ed. Nova Fronteira

Aos pássaros que gorjeiam prefiro os que grasnam
como os corvos ou  os que piam na escuridão
como as vigilantes corujas brancas que infestam os meus
bosques.

O canto melodioso amolece os corpos
e anestesia as almas que renunciam à reflexão e ao tormento
e temem o rumor do dia predatório.
Sempre desejei que o meu reino fosse o da dissonância:
do gavião que, pousado na estaca, rumina a sua impiedade,
dos pássaros grasnantes que incomodam os partidários de uma
regência musical do mundo
como se estivéssemos num teatro, ouvindo uma sinfonia.
Ao gorjeio que conduz ao deleite e embala o sono
oponho o grasnido que semeia
a insônia e o desconforto.

Esse punhado de ossos 31 julho, 2009

Posted by Alysson Amorim in Literatura, Poesia.
Tags: ,
2 comments

Ivan Junqueira

Esse punhado de ossos que, na areia,
alveja e estala à luz do sol a pino
moveu-se outrora, esguio e bailarino,
como se move o sangue numa veia.
Moveu-se em vão, talvez, porque o destino
lhe foi hostil e, astuto, em sua teia
bebeu-lhe o vinho e devorou-lhe à ceia
o que havia de raro e de mais fino.
Foram damas tais ossos, foram reis,
e príncipes e bispos e donzelas,
mas de todos a morte apenas fez
a tábua rasa do asco e das mazelas.
E ai, na areia anônima, eles moram.
Ninguém os escuta. Os ossos choram.

Visceralmente nacional 8 abril, 2009

Posted by Alysson Amorim in Citações, Literatura, Poesia.
Tags: ,
3 comments

T.S. Eliot, excerto de “De Poesia e Poetas”

Observa-se que a poesia difere de qualquer outra arte por ter um valor para o povo da mesma raça e língua do poeta, que não pode ter para nenhum outro. É verdade que até a música e a pintura têm um caráter local e racial; mas decerto as dificuldades de apreciação dessas artes, para um estrangeiro, são muito menores. É verdade, por outro lado, que os textos em prosa têm um significado em suas próprias línguas que se perde na tradução; mas todos sentimos que perdemos muito menos ao lermos uma novela traduzida do que um poema vertido de outro idioma; e na tradução de alguns gêneros de obra científica a perda pode ser virtualmente nula.

NENHUMA ARTE É MAIS VISCERALMENTE NACIONAL DO QUE A POESIA

O fato de que a poesia é muito mais local do que a prosa pode ser comprovado na história das línguas européias. Ao longo de toda a Idade Média e no curso dos cinco séculos seguintes, o latim permaneceu como a língua da filosofia, da teologia e da ciência. O impulso concernente ao uso literário das linguagens dos povos começa com a poesia. E isso parece absolutamente natural quando percebemos que a poesia tem a ver fundamentalmente com a expressão do sentimento e da emoção; e esse sentimento e emoção são particulares, ao passo que o pensamento é geral. É mais fácil pensar do que sentir numa língua estrangeira. Por isso, nenhuma arte é mais visceralmente nacional do que a poesia.

Um povo pode ter sua língua trasladada para longe de si, abolida, e uma outra língua imposta nas escolas; mas a menos que alguém ensine esse povo a sentir numa nova língua, ninguém conseguirá erradicar o idioma antigo, e ele reaparecerá na poesia, que é o veículo do sentimento. Eu disse precisamente “sentir numa nova língua”, e pretendi dizer algo mais do que apenas “expressar seus sentimentos numa nova língua”. Um pensamento expresso numa língua diversa pode ser praticamente o mesmo pensamento, mas um sentimento ou uma emoção expressos numa língua diferente não são o mesmo sentimento nem a mesma emoção. Uma das razões para que aprendamos bem pelo menos uma língua estrangeira é que isso nos permite adquirir uma espécie de personalidade suplementar; uma das razões para não adquirirmos uma nova língua em lugar de nossa própria é que a maioria de nós não deseja tornar-se uma pessoa diferente.

Nova Poética 7 abril, 2009

Posted by Alysson Amorim in Citações, Literatura, Poesia.
Tags: ,
4 comments

Um idioma, mesmo o mais arcaico, traz sempre no punho a possibilidade do melhor poema, como as cores dispersas na floresta são a incansável potência da melhor pintura.

Não é necessário ler a insuperável poesia inglesa para ser agredido pelo belo. Ele me fere no momento mais improvável, no cutucar despretensioso de um link que coloca-me inteiro ante a voz de Bandeira e seu anúncio de uma Nova Poética – a poética da vida; daqueles que nada podem contra a sujeira e contra a dor. A poesia, como a vida, não foi imunizada: está manchada com uma “nódoa de lama” – e não há recurso.

Nova Poética
Manuel Bandeira

Vou lançar a teoria do poeta sórdido.
Poeta sórdido:
Aquele em cuja poesia há a marca suja da vida.
Vai um sujeito.
Sai um sujeito de casa com a roupa de brim branco muito bem engomada, e na primeira esquina passa um caminhão, salpica-lhe o paletó ou a calça de uma
nódoa de lama:

É a vida.

O poema deve ser como a nódoa no brim:
Fazer o leitor satisfeito de si dar o desespero.
Sei que a poesia é também orvalho.
Mas este fica para as menininhas, as estrelas alfas,
as virgens cem por cento e as amadas que
envelheceram sem maldade.

Conhecer é desobedecer 30 março, 2009

Posted by Alysson Amorim in Citações, Literatura, Poesia.
Tags: ,
5 comments

De Alberto Caeeiro, a face franciscana de Fernando Pessoa

Pensar em Deus é desobedecer a Deus,
Porque Deus quis que o não conhecêssemos,
Por isso se nos não mostrou…

Sejamos simples e calmos,
Como os regatos e as árvores,
E Deus amar-nos-á fazendo de nós
Belos como as árvores e os regatos,
E dar-nos-á verdor na sua primavera,
E um rio aonde ir ter quando acabemos!…

Não para sempre 14 março, 2009

Posted by Alysson Amorim in Fragmentos, Poesia.
Tags:
5 comments

Um das formas do egoísmo está em olhar para si de modo distorcido, se contemplar aprisionado no espelho da água e ali permanecer paralisado qual Narciso. Nosso reflexo deve ser bebido na concha das mãos; a água deve nos levar adiante, não nos paralisar.

Ninguém deve sacrificar a contemplação e a vida interior e ninguém deve sacrificar ninguém por nenhuma dessas coisas. Quando o poeta verte sua intuição em metáfora ele bebe da água e avança alguns passos, ele grava sua mitologia na pedra e liberta seus monstros em praça pública. Narciso não pode escrever poemas.

É uma figura inarredavelmente pública, o poeta. Drummond é um homem mais público que Vargas. Em um poema de Carlos é possível divisar uma sua lágrima e quiçá um pedaço de sua orelha: ele está todo ali, público como uma lua cheia.

Só depois de constatar que seu coração era “maior que o mundo”, depois de se ver trepidando na água do rio, o poeta pôde dar um passo adiante e desdizer-se: “Não, meu coração não é maior que o mundo / É muito menor. / Nele não cabem nem as minhas dores. / Por isso gosto tanto de me contar. / Por isso me dispo. / Por isso me grito. / Por isso frequento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias. / Preciso de todos.”

Olhando pra si o poeta acaba por descobrir o outro, o rosto que não é dele e que o afronta: “Sim, meu coração é muito pequeno. / Só agora vejo que nele não cabem os homens. / Os homens estão cá fora, estão na rua.”

Quando morre Clarice Lispector nasce um poema de Ferreira Gullar: “Enquanto te enterravam no cemitério judeu do Caju (e o clarão do seu olhar soterrado resistindo ainda) / o táxi corria comigo à borda da Lagoa na direção de Botafogo / e as pedras, e as nuvens, e as árvores / no vento / mostravam alegremente / que não dependem de nós.”

A morte, ao contrário do sonho interrompido, não extingue o universo. O poeta, acostumado à vida interior, estranha esse fato aparentemente comezinho – e o transforma em poesia. No sonho, tudo existe como extensão quase mística do nosso ser. O fim de um sonho é o fim de um universo. Mas quando Clarice morre, as pedras permanecem tão duras quanto sempre foram, e o poeta encontra aí seu próprio destino. Não é a mera presença em um velório que nos dará a consciência do “ter de morrer”; é preciso antes ter estado presente em si mesmo.

Se quero ver no outro um rosto, preciso primeiro contemplar o meu – mas não para sempre.

Jonathan Edwards (1703-1785) 31 dezembro, 2008

Posted by Alysson Amorim in Jorge Luis Borges, Poesia.
Tags:
2 comments

Jorge Luis Borges em “O outro, o mesmo”

Longe da cidade, longe do foro
Clamoroso e do tempo, que é mudança,
Edwards, eterno já, sonha e avança
À sombra de copados ramos de ouro.
Hoje é ontem e amanhã. Não floresce
Uma coisa de Deus no calmo ambiente
Que não o exalte misteriosamente,
O ouro do luar, ou quando entardece.
Pensa feliz que o mundo é um eterno
Instrumento da ira e que o ansiado
Céu foi para pouquíssimos criado
E quase para todos foi o inferno.
No centro pontual do emaranhado
Há Deus, a Aranha (1), o outro aprisionado.

(1) Invocando a imagem do fogo, Edwards, espumando, trovejava do púlpito “que o Deus que vos mantém acima da entrada do Inferno, tal como mantemos a Aranha ou outro inseto repugnante acima do fogo, vos abomina, e é terrivelmente provocado; a Ira que brande contra vós queima como fogo, Ele vos considera como sem valor, dignos apenas de ser devorados pelo fogo; seus olhos tem muita pureza para suportar-vos em sua Visão, aos seus olhos, sois dez mil vezes mais abomináveis que a mais odiosa serpente venenosa o é aos vossos.”