jump to navigation

Pedra fria 9 maio, 2009

Posted by Alysson Amorim in Fragmentos, Teologia.
Tags:
trackback

Nenhum ponto final é mais definitivo que o anúncio da felicidade eterna. A vida só pode permanecer enquanto a felicidade for uma promessa distante ou uma arca perdida ou ainda uma assumida impossibilidade, como no poeta argentino Almafuerte, para quem “a felicidade humana não entrou nos desígnios de Deus”.

O suicídio da narrativa ocorre quando ela presenteia seus personagens com uma felicidade inalterável. Deus, ao talhar a pedra fria e soprar-lhe as narinas, fez a lança cair irresistível no peito de Abel.

As múltiplas variações do Éden, espiritualistas e materialistas, devem existir apenas como projetos ainda distantes ou objetos perdidos ou mentiras deslavadas. Se o projeto é definitivamente alcançado ou o objeto encontrado ou a mentira desbancada como um erro de interpretação, então o homem volta a ser uma eternamente feliz pedra fria.

Anúncios

Comentários»

1. Rondinelly - 10 maio, 2009

Alysson, esses teus golpes me assustam – um susto cuja sensação é semelhante à do ciúme ou à do perigo da trilha íngreme: um incômodo que se quer ter e que é agradável. Ôxe! Igual o fato de a gente querer não ser completo, de querer a felicidade como um sol existente, inalcançável, mortal, mas necessário nas lonjuras. Penso que você deve ser incompleto mesmo, se não nem escreveria, né?

2. Janete Cardoso - 10 maio, 2009

Nunca esqueci a estória de sua avó, sobre a cigana e a tentativa de agarrar a galinha d’angola.

É verdade que a humanidade corre atrás do vento. Felicidade plena e condição humana, são realidades incompatíveis. O que temos, são pequenos momentos que geralmente desprezamos, iludidos que na próxima curva, encontraremos um pódium de chegada e só nele a premiação.

Feliz de quem consegue contemplar o pouso singelo de uma borboleta, ou se encanta com um beija-flor. Assim é a felicidade.

Momentos breves que logo deixam de ser, mas que deixam sua marquinha de contentamento na lembrança. Nada é definitivo aqui nesse lugar.

beijo

3. rubens osorio - 11 maio, 2009

Tô com a Janete: a felicidade é um momento fugaz. Cabe-nos a tarefa de amealhá-los com carinho e fazer deles uma coleção de lembranças de instantes felizes.
Melhor isto do que pedra fria, né?

4. Janete Cardoso - 12 maio, 2009

Fui reler o post e na verdade o causo era história e da tia. 😀
Rubens, pena que essa habilidade de reconhecer boas oportunidades, vem com a maturidade, quando já desperdiçamos um monte deles.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: